segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

Fazia questão absoluta de sair de Chaves pela mais extensa estrada de Portugal que me levaria a atravessar o país todo de lés a lés até Faro, partindo exactamente e de forma emblemática junto ao marco do kilómetro 0, onde tencionava fazer o primeiro desenho "oficial" do caminho.
A coisa começou logo por não correr bem, perdi cerca de uma hora a pé à procura do marco, perguntei a varias pessoas que me desaconselharam a ir por lá, diziam que pela N2 já não vai ninguém, mostravam-me isso sim de forma orgulhosa e convicta os acessos às novas auto estradas mas à cerca do marco nada! Até que me disseram para perguntar ao Engenheiro de uma obra de saneamento porque parecia que alguém teria visto por aí o marco junto do entulho.
Assim foi, o marco mais marcante de todos, aquele que marca o zero e que me daria o tiro da partida para um itinerário que só acabaria na outra ponta de Portugal estava caído como uma pedra tumular junto de escombros e de cadáveres de outras obras, premeditando que, tal como esse sinal de partida o que se seguisse daí para a frente seria por certo uma viagem por um caminho esquecido.

5 comentários:

ALAN ADI hoje disse...

Belos desenhos os teus!

annie hall disse...

Agora que chegamos ao km zero já posso confessar que gostei mais da viagem no Sul.Deve ser da luz que têm os desenhos , os verdes das Beiras ,os amarelos do Alentejo! Um mimo o modo como desenhou o Sul .

João Catarino disse...

É verdade Annie, embora o percurso entre Chaves e a Régua seja dos mais bonitos de toda a viagem.
Tenho que voltar a fazer essa parte com mais tempo.

Roanytah disse...

Adoro os teus desenhos, tens mesmo muito jeito *.* eu gosto de desenhar mas tu trabalhas mais com a pintura ao mesmo tempo que desenhas :) Tens mesmo muito jeito :)

Jonas Pontes disse...

Afinal, onde esta esse marco do km 0?