quarta-feira, 3 de março de 2010

A comitiva presta uma vénia ao velho pereiro.
"A caminhada vai passar junto ao mercado para nos encontrarmos com outra memória viva. Numa pequena passagem entre o mercado e os prédios há uma árvore, um pereiro, notável que, quando eu vim para Carcavelos, há 42 anos, já lá estava e tinha um porte não muito diferente do que tem hoje. Faz poucos anos que sofreu uma poda forte que o remoçou.
Cada ano lhe admiro as flores, logo seguidas das folhas novas e dos frutos. Ao princípio caem muito, e poucos chegam a amadurecer.
É duma variedade de frutos pequenos gostosos, um pouco ásperos mas perfumados, muito atreitos ao pedrado das pereiras. Creio ser uma variedade bem antiga. As folhas e a forma dos frutos fazem lembrar as da variedade piraster da pirus communis, uma planta espontânea em Portugal, conhecida por pereiro, pereira-brava, catapereiro e escambroeiro e tida como um dos progenitores de inúmeras variedades cultivadas."
Excerto escrito pelo Prof. Fernando Catarino, retirado do pequeno livro de cordel que serviu de guia do percurso.

2 comentários:

MédioCriativo disse...

É uma maravilha ouvir falar sobre árvores a quem de árvores percebe. Sempre me fascinou essa prova maior de humanidade. MC

Rui disse...

Oh João !!!! Esta história é fantástica. Sei perfeitamente qual é a pereira de que falas. De há 32 anos a esta parte que está igual, excepção feita à poda que levou.
Abraço
Rui