sábado, 7 de fevereiro de 2009

Já por várias vezes que queria fixar esta recta nos meus livrinhos, mas nunca tive a coragem de cortar os 80Km/h de embalo que ela provoca à minha carrinha.
Desta vez não resisti, decidi parar para desenhar, não a recta mas o pinheiro que em contra luz faz um alto contraste com um inimitável verde florescente das copas redondas dos pinheiros mansos iluminados lá no fundo.
Fica neste sentido entre Bordeira e Carrapateira, vale a pena passar ali àquela hora e parar.
Houve quem também parasse em solidariedade.
_Precisa de ajuda?
Aconteceu alguma coisa?
Quer que chame um reboque?
_ Obrigado estou só a desenhar este pinheiro!

13 comentários:

e.s. disse...

Valeu a pena. Passaste foi por alguém que não bate bem. Acontece.

ma grande folle de soeur disse...

fabulosa recta e q a caravana passe... ;)

André Falcão (texto) disse...

Comentário simples, mas delicioso.
Realmente às vezes penso que há cheiro para tudo, até para os estados de espirito...a solidão tresanda, a tristeza fede, mas alegria, a liberdade empestam os outros de agradáveis aromas, suscitando neles o seu melhor. Possivelmente chatos, mas todos foram simpáticos e prestáveis aposto?!
Diria mais sem qualquer pretensiosismo:
Obrigado estou só a ser feliz!

Richard Câmara disse...

Pinheiros à parte, como de costume, este teu desenho é muito bonito :) O pinheiro agradece e nós também ;)

Um grande abraço

Álex disse...

sempre adorei essa vista do lado dto. da estrada onde aquelas curvas das copas dos pinheiros mansos em contraste com o céu formam um desenho/paisagem linda! há tempo que não os vejo...

ze bird disse...

Bolas mestre! gosto tanto mas tanto desta chegada à carrapateira que cada vez que lá passo entro na zona do pinhal para contemplar. também gosto da aguardente da tasca da bordeira.

Carlota Silva disse...

Desculpe a invasao.
Mas os seus desenhos fascinaram-me.
muito bom o seu trabalho.
Continuaçoes

josé louro disse...

Inveja...roído.

cláudia mestre disse...

e o cheiro das estevas, que nos acompanha nessa estrada? plantas tão agrestes mas tão perfumadas, que se tornam tão delicadas quando florescem... tens algum desenho dos campos com as estevas floridas?

João Catarino disse...

Pois é Claudia! O cheiro das estevas...
não tenho nenhum desenho, talvez quando o sol voltar e pelo cheiro volte lá eu tambem, para desenhar.

annie hall disse...

Campo !:)
Lindo desenho !

Ana Campogrande disse...

Pelos vistos já somos "mais muitos" parados, a desenhar não sei quê, e felizes!

Maria Matias disse...

Faço estes percursos desde que nasci, no tempo em que as viagens levavam um dia, Lisboa-Lagos. O carro ía a abarrotal com a casa lá dentro, em cima a "vaca" (espanhol) onde se colocava mais e mais carga indespensável para aquele mês de Agosto. Atrás o reboque, cheio com a capa bem esticadinha. E lá íamos pelo meios das terras, das árvores, das pequenas estradas. O carro, um Opel Kadet (matrícula AL-..-..) tinha uns forros em napa que aqueciam tanto... a chapa do carro tb não ajudava. Mas parávamos para comprar melancias e melões, para irmos a odmira almoçar ou jantar, para olharmos para a praia em Porto Covo.
Foi esta a sensação que tive ao ver o teu desenho. O momento que dura mais e que se saboreia mais. Não existe pressa, só a necessidade de captar aquele promenor para sempre...
Bjs
Rosa Baptista